Descrição

Em Paradela fica uma das estações da linha do Vouga, hoje desativada, mas que se constitui como uma das principais referências históricas da região. A linha do Vale do Vouga, mais conhecida como linha do Vouga e com a alcunha de linha do Vale das Voltas, em alusão ao seu traçado sinuoso, era um troço ferroviário que ligava a linha do Norte à linha do Dão, numa extensão de 140 km. Começou a ser planeada em 1877 com o objetivo de escoar a abundante produção agrícola do vale do Vouga para o grande Porto, e foi finalmente inaugurada a 5 de fevereiro de 1914, estabelecendo a ansiada ligação ferroviária entre Espinho e Viseu. As primeiras composições que serviam a linha do Vouga eram locomotivas a vapor, com vagões e carruagens de madeira. Mais tarde, a linha era servida por automotoras, situação que se manteve até à sua desativação em 1990 (entre Sernada do Vouga e Viseu). Fica na memória como uma das mais belas linhas ferroviárias de Portugal, subindo do litoral para a serra num périplo de curvas, túneis e pontes, cortando vales e montes de um verde luxuriante na sua ascensão.

Estação de Paradela
Ecopista do Vale do Vouga
Esquilo
Medronheiro

Património Natural

Este troço da linha do Vouga, hoje convertido em ecopista atravessa, entre o lugar da Foz e Paradela, o Sítio de Importância Comunitária (SIC) do rio Vouga e é, por isso, um local de excelência para a observação da biodiversidade deste rio. Junto à ponte do Poço de Santiago, destaque para os peixes migradores como o sável, a savelha, a lampreia-marinha e a enguia; nas encostas junto ao Vouga são frequentes o loureiro e o medronheiro, aparecendo também o folhado e o sobreiro, constituindo um cortejo de árvores termófilas de folha perene que acompanham o Vale do Vouga. Nestas florestas, observam-se com facilidade esquilos e pica-paus. Debaixo das pedras maiores podemos, por vezes, encontrar o curioso sapo-parteiro e, nos céus do vale do Vouga, a águia-de-asa-redonda é uma presença assídua. Junto ao rio, a borboleta protegida fritilária-dos-lameiros é abundante.

Património Histórico

A ecopista do Vale do Vouga é uma ciclovia que acompanha o antigo traçado da linha do Vouga; com início no lugar da Foz, a ecopista tem mais de 10 km, seguindo sempre paralela ao rio Vouga e à EN16. Passa o edifício da antiga estação de Paradela (hoje recuperada e transformada em eco-café e serviço de apoio aos utilizadores da pista), e continua até aos limites do concelho com Oliveira de Frades, em Fontelas. Esta ciclovia atravessa, no seu percurso, 5 túneis e a majestosa ponte do Poço de Santiago.

Sapo-parteiro
Fritilária-dos-lameiros
Linha do Vouga transformada em ecopista