Descrição

As fragas da Penavilheira resultam de um fenómeno geológico denominado “knickpoints”, (ruturas de declive) que, normalmente, formam cascatas, remontando a sua origem há cerca de 2 milhões de anos. O rio Bestança – rio que corre por entre estas fragas – é, na bacia do Douro (setor português), o rio que apresenta maior número de “knickpoints”. Aqui este fenómeno desenhou um lugar fantástico, marcado por imponentes fragas e cascatas únicas. Na envolvente, a paisagem é singular e moldada pela mão do homem, em que as levadas conduzem a água até aos terrenos agrícolas e os lameiros intercalam bosques frondosos de folhosas.

Queda de água nas fragas da Penavilheira
Rio Bestança
Fragas da Penavilheira
Ponte de Soutelo
Cascata da Granja

Património Cultural

Bem perto das fragas da Penavilheira, e sobre o rio Bestança, ergue-se a Ponte de Soutelo, datada da época medieval. Construída em pedra, com um arco de volta perfeita de 9 metros de diâmetro, e com um piso formado por lajes de grandes dimensões, esta enquadra-se de forma perfeita na paisagem.

Fragas da Penavilheira
Língua-cervina

Património Natural

O património natural do rio Bestança é imenso. Nas proximidades destaca-se  a cascata da Granja, onde as límpidas águas do Bestança, conjugadas com os tapetes de musgo e a galeria ribeirinha, tornam este local paradisíaco. o longo do Bestança pode-se observar a diversa fauna e flora. A rã-ibérica e a salamandra-lusitânica são alguns endemismos que habitam no rio. A lontra, o melro-de-água ou a borboleta apatura-pequena são outras espécies de fauna que aqui se podem observar. Relativamente à flora, ao longo deste rio e dos bosques de folhosas que o envolvem as espécies são muitas, como a aveleira, o amieiro, o freixo e a bela língua-cervina, um feto que se refugia nas suas margens sombrias.

Socalcos do vale do Bestança
Ovelhas